Sua cesta
Total de artigos:
Você tem um cupom de desconto?
Pagamento integral
Confirme a ordem
15 dias para alterar ou devolver sua compra após o parto
Tua transação é segura. Usamos a tecnologia mais recente para proteger sua segurança e privacidade.
Iniciar sessão
Equipamentos profissionais para bombeiros florestais

Seca 2023: Atualizando-nos pelas mãos dos especialistas

Recorremos à equipa do 'The Emergency Program' para melhor compreender esta situação

Nos últimos meses, a Europa tem vivido uma seca preocupante que afetou várias regiões, com implicações importantes para a vegetação em termos de stress hídrico e de agravamento do comportamento do fogo, quando falamos de incêndios florestais. Para aprofundarmos os nossos conhecimentos, nos mantermos atualizados na Vallfirest e para compreendermos melhor esta situação, aproveitámos a entrevista feita pelos nossos colegas do The Emergency Program a Brian Verhoeven, meteorologista e investigador do Instituto Neerlandês para Segurança Pública (NIPV, The Netherlands Institute for Public Safety), onde esclarece esta questão.

Em primeiro lugar, tal como muitos meteorologistas e investigadores, Verhoeven afirma que a seca que afeta a Europa apresenta um quadro preocupante. As condições de uma notável ausência de precipitação persistem e intensificam-se para além de um único verão, dessazonalizando os incêndios e gerando stress hídrico na vegetação, que se acumula ano após ano.

Imagens do Sentinel 2 para o mesmo local, mas de três anos consecutivos, comparando os níveis de água no rio Ter e no reservatório de Sau, na Catalunha.

 

Por outro lado, Brian sublinha a importância da qualidade, e não apenas da quantidade, da precipitação. Por outras palavras, existe uma diferença considerável entre a passagem de uma zona frontal, onde a precipitação se prolonga por muitas horas com uma intensidade relativamente baixa, e a mesma quantidade de precipitação que cai num período de tempo muito curto. Neste último caso, a intensidade excede a capacidade de infiltração do solo e grande parte da água é transportada para os rios e tem pouca utilidade para a vegetação. Ou seja, devemos ir mais longe quando falamos da quantidade de litros acumulados numa zona e observar como se distribuem ao longo do tempo.

O El Niño, um fenómeno caracterizado por um aquecimento invulgar da superfície do Oceano Pacífico na região equatorial, mas que pode levar a alterações nos padrões climáticos em todo o mundo, também entra em jogo. Embora seja certo que os países sul americanos sofrerão as consequências mais severas, a Europa não será poupada. Com a passagem do El Niño, as águas quentes do Pacífico tropical libertam calor para a atmosfera, o que aumenta a temperatura global e pode ter consequências diretas no comportamento do fogo. O calor adicional e a falta de precipitação podem aumentar a evaporação da água nos solos e da vegetação, reduzindo a humidade e aumentando a secura. São condições propícias para a rápida propagação dos incêndios florestais porque a vegetação torna-se mais vulnerável diante de qualquer ignição. Observam-se também alterações nos padrões de precipitação, com algumas regiões a registar chuvas mais intensas e frequentes, enquanto outras enfrentam secas prolongadas. Não deve ser desprezado o rápido crescimento do combustível fino devido às chuvas intensas, que mais tarde se pode transformar em combustível seco e atuar como propagador inicial de uma ignição.

Comparação das duas situações contrastantes que costumam ocorrer na Europa. Da anomalia no índice de periculosidade FWI intui-se a alteração drástica das condições meteorológicas para cada região, levando estes locais a um grau de periculosidade muito elevado e mesmo extremo. Fonte: anomalia FWI, GWIS.

 

No entanto, o meteorologista holandês é cauteloso quanto à influência do El Niño no comportamento dos incêndios e diz que este deve ser visto como mais uma condição que contribui para uma tendência de subida da temperatura global. Em última análise, a complexidade do clima e dos seus impactos reside na combinação de muitos fatores e os seus efeitos devem ser avaliados ao longo do tempo.

Anomalias médias mensais globais e europeias. Neste último, embora no norte a temperatura tenha sido 2,1°C mais fria, nas demais localidades foi observado o mês de maio mais quente entre os registros do período considerado. Fonte: Temperatura do ar à superfície para maio de 2023, Copernicus).

 

Sem dúvida que os meteorologistas, os cientistas e os bombeiros florestais estão todos de acordo com o que dissemos acima: as alterações climáticas conduzem a alterações nos ecossistemas e uma das formas de manifestação são os incêndios florestais. O futuro apresenta-se incerto, mas com tendência a condições extremas, fogos mais intensos e mais rápidos. As florestas devem estar preparadas e os bombeiros bem equipados para enfrentar longos dias de trabalho, tanto no combate como na prevenção dos incêndios.

É enorme o desafio com que as equipas de extinção se deparam, tal como o desafio que enfrentamos para fornecer soluções seguras e eficazes para todos os envolvidos. Na Vallfirest, aproveitamos este fluxo contínuo de informação e conhecimento para desenvolver soluções disruptivas adaptadas a cada serviço de extinção.