Este site usa cookies próprios e de terceiros para melhorar sua acessibilidade, personalizar e coletar informações estatísticas sobre sua navegação. Se você continuar navegando, consideramos que você aceita seu uso. Para obter mais informações veja nossa política de cookies. OK
Sua cesta
Total de artigos:
Você tem um cupom de desconto?
Pagamento integral
Confirme a ordem
15 dias para alterar ou devolver sua compra após o parto
Tua transação é segura. Usamos a tecnologia mais recente para proteger sua segurança e privacidade.
Iniciar sessão
Equipamentos profissionais para bombeiros florestais

Como evitar uma intoxicação por monóxido de carbono em incêndio florestal

A Vallfirest e a Astrea Materials desenvolveram o primeiro e único filtro para bombeiros florestais capaz de bloquear o monóxido de carbono, formaldeído e NOx

Um dos 5 piores poluentes que podemos encontrar em um incêndio florestal é o Monóxido de Carbono (CO), presente em diferentes momentos das operações de combate, extinção e rescaldo. 

Como se produz o CO?

O Monóxido de Carbono é produzido pela combustão incompleta de madeira ou outros materiais orgânicos, devido à falta de ar para arder. Todo o combustível necessita de uma quantidade determinada de oxigênio para queimar completamente mediante a reação química de oxidação provocada pelo fogo e, se isso não ocorre, é gerado este gás incolor, inodoro, inaudível e muito tóxico. 

Picture from:  Pixabay – skeeze 

Por que o monóxido de carbono é tóxico?

O monóxido de carbono transforma o oxigênio da hemoglobina no sangue em carboxiemoglobina (COHb), afetando principalmente dois dos órgãos vitais mais importantes, como o cérebro e o coração, que requerem grandes quantidades de oxigênio para funcionar corretamente.

Quais são os efeitos gerados de forma imediata?

A inalação de monóxido de carbono provoca graves efeitos na saúde de forma quase imediata. Seus danos variam desde a diminuição da capacidade de trabalho e a perda da percepção visual do entorno, a destreza manual, a direção e o nível de atenção, leves dores de cabeça e náuseas (em níveis baixos), dores de cabeça severas, tonturas, perda de percepção do entorno, taquicardia e visão de túnel (em níveis médios), perda de consciência, convulsões, parada cardíaca ou a morte (em níveis altos).


Em pessoas que sofrem doenças cardíacas pré-existentes, a exposição a concentrações elevadas ou o trabalho prolongado próximo de um fogo sem chama, poderia desencadear uma angina de peito, provocar arritmias ou levar a uma insuficiência cardíaca repentina.


Este gráfico fornece os principais elementos sobre os indícios a considerar para detectar e avaliar o grau de intoxicação.

 

Quanta exposição é recebida pelos bombeiros florestais?

A OSHA, agência norte-americana responsável por legislar no âmbito federal em matéria de segurança e saúde ocupacional, estabeleceu níveis máximos de exposição a poluentes que não deveriam ser ultrapassados. Em operações de extinção de incêndios florestais, a exposição ao CO e particulados é geralmente superior aos valores recomendados. 

No último mês de novembro, o Grupo Nacional de Coordenação de Incêndios Florestais dos Estados Unidos, publicou um ensaio intitulado “Guia de controle de fogo técnico”. As investigações realizadas estabelecem que: “O tempo até que se alcance um nível tóxico de COHb pode variar em função da concentração de CO ambiental, a frequência respiratória do operário (se você está realizando um esforço físico) ou a altitude, entre outros fatores. Quanto mais exigente for o trabalho e maior a altitude, mais rapidamente se produzirá a segregação de COHb. Se estiver sendo realizado um trabalho físico de alta intensidade em situações de grande densidade de fumaça, os sintomas de sobre-exposição ao CO podem surgir depois de 15 minutos”.


Além do Monóxido de Carbono, os bombeiros florestais enfrentam particulados, formaldeído, acroleína, NOx e SOx, benzeno e outros poluentes. Cabe destacar que na interfase, os efeitos aditivos ou sinérgicos dos combustíveis vegetais com outras substâncias químicas representam um risco adicional. 

 

 

Picture from: Greenpeace. 

De que forma é possível bloquear o CO?

O monóxido de carbono não é um gás que possa ser filtrado com carbono ativado. É preciso dissociá-lo e, para isso, é necessário um catalizador, conforme orientado pela indústria automobilística e de mineração.

Quais são as soluções disponíveis no mercado?

Até agora, nenhum filtro multigás era capaz de eliminar o CO para proteger-se deste poluente. A única solução possível para proteger os bombeiros era o uso de um ERA (Equipamento de Respiração Autônoma). São sistemas de respiração com frascos de ar comprimido não recomendadas para seu uso em incêndio florestal devido ao seu tamanho e peso.

 

Novo filtro vft Astrea, o primeiro e único filtro de tamanho reduzido e longa duração, capaz de proteger contra o CO, concebido para seu uso em incêndio florestal

A Astrea Materials e a Vallfirest desenvolveram um filtro CO capaz de proteger com eficácia os bombeiros florestais em seus trabalhos de prevenção e extinção. Trata-se do primeiro e único filtro para monóxido de carbono, formaldeído e outras substâncias tóxicas presentes em incêndios florestais. Uma formulação de nanopartículas de ouro, exclusiva e patenteada, resultado de 15 anos de pesquisa e desenvolvimento. 

Picture from: Vallfirest.

Como funciona?

O produto está composto por um catalizador de metais preciosos e um filtro de partículas P3 R adicional. As nanopartículas de ouro têm a capacidade de eliminar compostos poluentes como CO, NOx e formaldeído à temperatura ambiente e em presença de altos níveis de umidade (> 90% UR) sem a necessidade de nenhuma etapa dessecante, como seria necessário de outra forma com materiais convencionais como a hopcalita. O resultado é um produto que oferece uma eliminação estável dos poluentes do ar durante longos períodos de tempo, resolvendo com soltura a necessidade de proteção de quem trabalha em tarefas de prevenção e extinção de incêndios florestais. O cartucho é completado com um filtro de partículas certificado P3 / P100.

Seu catalizador nanoestruturado tem a capacidade de eliminar poluentes com uma eficácia de filtragem de 98%.

Como se conecta?

Baioneta para uma conexão direta à máscara de proteção Xtreme Mask, garantindo uma boa vedação e um uso confortável em incêndio, compatível com todo o tipo de óculos, protetores auriculares e com a maioria de capacetes disponíveis no mercado. 

A meia máscara da Xtreme Mask é de perfil nasal baixo (perfeitamente ajustável em rostos caucasianos, asiáticos, afrodescendentes e americanos), e tem duas válvulas de exalação (para que o dióxido de carbono saia mais rapidamente incrementando o conforto respiratório). O têxtil da mesma está certificado de acordo com a norma EN 15614:2007 e oferece uma alta proteção contra a radiação e as partículas incandescentes. Um conjunto leve, confortável e protetor. 

Resultados dos testes realizados em incêndio

O filtro CO foi testado em situação real. Estes são os dados obtidos após várias avaliações.

Em um turno habitual de 6 horas:

  • Filtragem de CO > 98%
  • Filtragem de NOx > 98%
  • Eliminação de formaldeído (o formaldeído se converte em CO2 e H2O) > 98%
  • Proteção adicional frente a COVs

 

Para mais informações, não perca este vídeo.